terça-feira, 26 de maio de 2015

Concordo totalmente

E embora este texto me provoque um aperto no peito é mesmo assim. É assim que eu sinto e é assim que tem de ser! Todos temos o direito de vivermos as nossas vidas, as nossas escolhas, os nossos momentos, as desilusões pelos nossos erros, mas sem a Chata a dizer-lhes: eu bem te avisei que devias andar mais devagar no baloiço! Baloicem-se na vida e sejam muito felizes.


A boa mãe é aquela que vai se tornando desnecessária com o passar do tempo. Várias vezes ouvi de um amigo psicanalista essa frase, e ela sempre me soou estranha. Chegou a hora de reprimir de vez o impulso natural materno de querer colocar a cria debaixo da asa, protegida de todos os erros, tristezas e perigos. Uma batalha hercúlea, confesso. Quando começo a esmorecer na luta para controlar a super-mãe que todas temos dentro de nós, lembro logo da frase, hoje absolutamente clara. Se eu fiz o meu trabalho direito, tenho que me tornar desnecessária.
Antes que alguma mãe apressada me acuse de desamor, explico o que significa isso.
Ser “desnecessária” é não deixar que o amor incondicional de mãe, que sempre existirá, provoque vício e dependência nos filhos, como uma droga, a ponto de eles não conseguirem ser autónomos, confiantes e independentes. Prontos para traçar seu rumo, fazer suas escolhas, superar suas frustrações e cometer os próprios erros também.
A cada fase da vida, vamos cortando e refazendo o cordão umbilical. A cada nova fase, uma nova perda é um novo ganho, para os dois lados, mãe e filho. Porque o amor é um processo de libertação permanente e esse vínculo não pára de se transformar ao longo da vida. Até o dia em que os filhos se tornam adultos, constituem a própria família e recomeçam o ciclo. O que eles precisam é ter certeza de que estamos lá, firmes, na concordância ou na divergência, no sucesso ou no fracasso, com o peito aberto para o aconchego, o abraço apertado, o conforto nas horas difíceis. Pai e mãe – solidários – criam filhos para serem livres.
Esse é o maior desafio e a principal missão. Ao aprendermos a ser “desnecessários”, nos transformamos em porto seguro para quando eles decidirem atracar.

Nota: Embora esse texto apareça na internet com diversas autorias, a autoria mais provável é de Danuza Leão.

Querida menina faz anos


A minha norinha fez anos e eu estava longe! Gostava de ter estado por perto e de ter tido tempo para percorrer lojas imaginando o sorriso franco com um presente que eu escolhesse e tivesse a cara dela. Gostava de lhe poder ter dado um abraço forte que lhe transmitisse tudo aquilo do que gosto nela.
Ainda não foi hoje! Mas vai ser um dia destes. Gosto muito de a ver feliz!

domingo, 24 de maio de 2015

Do almoço de hoje


Com sol, inaugurando a época dos almoços na varanda e com a melhor companhia do mundo.
Comida boa e um café a finalizar.
Mais? Não posso pedir!

Das grandes almoçaradas cá em casa

 A mesa dos miúdos. Ainda tão pequenos!

Tenho tantas saudades! Das listas que começava a fazer com antecedência, das entradas, das mesas que saiam da garagem do inspeccionar e escolher as toalhas, das combinações com tempo para tudo ficasse bonito, do exagero da mesa das sobremesas, da alegria.... tantas saudades!
Geralmente era Verão porque havia sempre um desses almoços no aniversário de Cara metade.
Do barulho dos miúdos, da cozinha em pantanas (deixem estar que eu depois da festa tenho tempo!) e até do arrumar da festa lá pela noite dentro.
A sala cheia de gente, e eu no meio dos pratos, da apresentação, com a sensação boa de tudo pensadinho com muito tempo para que os meus convidados se sentissem felizes.
Ontem, falou-se dum almoço de onde filho mais novo regressou e deu-me uma saudade!
Depois, logo a seguir, fiquei cheia de ideias giras!

sábado, 23 de maio de 2015

Pessoas que admiro


Hoje fui visitar a Nini!  Ou melhor dizendo, voltei à loja da Nini que deve ser das pessoas mais giras e criativas que conheço. Muitas das coisas giras cá de casa saíram das mãos dela e da cabeça dela. Tens uma ideia vaga, falas com ela e sais de lá com tudo pensado e com os tecidos escolhidos e mais não sei quantas ideias giras para pensar futuramente. Tenho guardadas na loja dela umas cadeiras de realizador que se estragaram há mais de 5 anos! Foram para lá para pensar um tecido giro que as transformasse e lhes desse graça. 
Hoje, saíram da prateleira as cadeiras, (ainda lá estavam mesmo com a  loja remodelada) e já têm as novas capas tão, mas tão  lindas! Ficaram ainda mais uns dias para tratar a madeira.
Depois falámos de uns móveis que eu quero lavar e  pintar para aplicar a técnica decapê mas da qual não percebo mesmo nada. A Nini entusiasma-se sempre imenso com as minhas ideias.  Dali passámos para o sofá com estrutura de madeira que com a técnica e uma forra azul e branca vai ficar perfeito na casa de praia. 
Falámos ainda dos filhos, da vida, das mães que nos perdem a memória e  finalizei a visita com o habitual: agora vou ficar por aqui a ver a loja! E  consigo ficar  horas a ver os pormenores, as escolhas, os pormenores desta miúda criativa que tanto me tem ajudado na concretização das minhas ideias malucas de decoração.
Para já, é só necessário levar à loja uma porta do móvel!

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Coisas engraçadas


Filhos: não leiam este post! Penso que não vão gostar, mas eu acho tanta piada a  este episódio!
Vocês eram pequenos e nós nunca tivemos por perto família para vos deixar uns tempos, para ficarmos sós de vez em quando, para dizer parvoíces sem nos sentirmos culpados.
Houve um dia em que nos apetecia mesmo namorar sem vocês!  O que fazer?
Passámos pela morgue e vimos que as duas câmaras mortuárias tinham gente!
E inventámos logo ali a necessidade de ter de ir a um velório de um amigo, muito amigo mesmo, que tinha partido. Arriscámos muito, porque por estes lados todos se conhecem mas ninguém perguntou nada e deu resultado.  Lá foram vocês todos contentes para casa da  Madalena passar o serão enquanto nós iríamos ao velório.
Que grande serão e que lua cheia nós contemplámos no miradouro do castelo de almourol, que conversa boa e que bem dispostos chegámos a casa com vocês já adormecidos. 
Nunca chegámos a  saber quem faleceu nesse dia mas obrigada!

Coisas que quero muito e ainda não consigo


Segundo Jiddu Krisnhamurti – um dos maiores filósofos e pensadores do século 20 –  uma pessoa que está próxima de um despertar da consciência, experimenta alguns desses sintomas.

1 - Uma tendência crescente de deixar as coisas acontecerem ao invés de tentar controlá-las;

2 - Ataques frequentes de alegria, sorrisos sem explicação e explosões de risos a qualquer momento;

3 - Sensações de estar intimamente conectado aos outros e à natureza

4 - Episódios frequentes de apreciação e admiração das coisas simples;

5- Uma tendência de pensar e agir espontaneamente com amor, no lugar do medo baseado na experiência passada;

6 - Uma nítida habilidade de viver cada momento;

7 - Uma perda da habilidade de se preocupar;

8 - Uma perda do desejo por conflito;

9 - Uma perda de interesse por tomar as coisas como pessoais;

10 - Uma perda de apetite em julgar o outro;

11 - Uma perda de interesse em julgar-se a si mesmo

12 - Uma inclinação em dar sem esperar nada em troca.

 Estou perto!! Falta-me ainda o número 7, limar o número 9, deixar de lado o número 11, diminuir o número 10 et voilá!!

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Coisas engraçadas


Corria o Verão de 1998 e nós passávamos  o Agosto nos Estados Unidos , em casa de tios queridos que nos tinham convidado. Foi o Verão do escândalo Clinton e da sua amante Mónica e os americanos levam estes escândalos muito a sério. Descobri isso na altura! 
Se o caso se passasse por terras lusas, o pessoal  mandava  umas graçolas à volta de umas cervejas geladas e de uns caracois - Ah grande Clinton, isto é que é de homem! Com secretárias assim até dá vontade  de trabalhar e .... e... que isto é um blogue sério e não vou entrar por aí!
Nos Estados Unidos aquilo foi mesmo um drama. Cara metade ainda tentou uma ou outra graça mas foi logo abafado pelo peso do momento. Houve até a necessidade de um comunicado televisivo do próprio Clinton, noticiado com bastante antecedência, explicando à Nação o sucedido, o que lhe tinha passado pela cabeça para tamanho desire. Não me lembro bem se explicou mesmo tudo, mas penso que não. Nesse dia, jantámos mais cedo!
Esta foto regista o momento televisivo da confissão televisiva!! O André, adormeceu! Os adultos ouviram em silêncio total a confissão e demonstraram bastante nervosismo!
A mim, como boa portuguesa foi-me muito difícil conter o riso perante tamanha tragédia! 
Foi giro! Muito giro!

terça-feira, 19 de maio de 2015

Apetece dar-te mimo!

 
«Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.
...
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.»
Carlos Drummond de Andrade

Isto até ia a correr bem!

Um envelhecimento com classe, com  algum apagamento, muita serenidade....
Depois, houve um dia em que pensei que aquela não era eu nem era assim que queria envelhecer!!
E tudo, dentro de mim, mudou! Cá fora, continua tudo igual! Ou pior! Talvez até muito pior. Eu? Sinto-me bem!