sábado, 20 de julho de 2019

Um rio quase a chegar ao mar


Eram assim as nossas férias! Quando eu descansava e me tornava uma pessoa nova depois de uma semana. Areia muito branca e muito poucas preocupações. Ou apenas a juventude que tudo apaga e tudo relativiza. Era só o tempo feliz de estar ali. Dar grandes passeios pela praia, apanhar tesouros, ler, conversar, nadar, rir.
Pelo final da tarde, passeios a cavalo, só porque o pai gostava!
 Nada faltava. tínhamos tudo!

quarta-feira, 17 de julho de 2019

Não tenho nada giro para vestir!


Tenho desinvestido muito ultimamente nesta área da minha rotina. Deixei de comprar, deixei de ir às compras. Não me apetece e penso que é só gastar dinheiro sem proveito! Já não tenho onde arrumar a roupa e demoro imenso tempo a procurar as peças de que de vez em quando me lembro que tenho ... algures.
Continuo é a ver as revistas com as tendências os adereços giros, as roupas giras de Verão.
Concluí que não tenho nada novo, nada giro e nada que me faça brilhar.
Olha filha tens de brilhar com luz interior porque a exterior, essa anda muito apagada ultimamente.
Novos tempos virão!

Coisas que aprendo


Depois de ver como os meus filhos organizavam a vida deles e se desfaziam do que consideravam a mais, numa onde de leveza que faz bem, resolvi que tinha chegado a hora de fazer o mesmo!
Comigo, tudo se torna mais difícil: sou mais velha, tenho coisas que convivem comigo há muitos anos e detenho com elas relações afectivas um pouco sem sentido! São só coisas!
Então, como quero mesmo, vai aos safanões! Há um serão em que resolvo desfazer-me dos sapatos que foram más compras, ou me apertam os pés, ou são desconfortáveis ou pura e simplesmente já não uso há mais de dois anos. Lá foram eles e alguém gostou muito de os encontrar! 
Mais um serão e irão as roupas que já não se vestem ou se vestiram muito poucas vezes. 
As carteiras de que gostei tanto e guardei religiosamente cheias de papel de jornal para não perderem a forma! Penso já nunca mais as voltar a levar comigo! 
Pouco a pouco a casa vai ficando mais leve e também mais vazia. 
Daqui a uns tempos, eu já me conheço, vou estar arrependidíssima do que ando agora a fazer mas já não haverá solução!

segunda-feira, 15 de julho de 2019

Vamos para perto do sítio onde fomos felizes durante muitos anos


Já nada resta de nós desses tempos. Apenas as lembranças
. Se tenho pena? Imensa!
Também já não é a mesma coisa. Agora está na moda e os turistas tiraram a calma e a beleza ao lugar. Talvez já nem os peixes saltem nas bancas do mercadinho local! Férias com tempo de apreciar tudo o que a vida tinha de bom para nos oferecer.
Talvez por isso me recuso a voltar. Vamos para perto porque gosto dos cheiros, gosto do calor e gostava muito do dia em que íamos de excursão ao sítio para onde agora vamos. A estrada parecia longa mas não é! Quantas terras faltam? perguntavam vocês. E nós mentíamos porque a estrada era longa mas feliz, na maior parte das vezes. 
Desta vez não vai haver perguntas. Não vamos todos e a alegria das férias anda escondida algures não sei bem onde.
Terá a vida ainda alguma coisa boa e gratuita  para oferecer? 

domingo, 14 de julho de 2019

Com vontade de partir


E deixar para trás tudo o que me preocupa. O ano escolar acabou mas ainda tanto para fazer!
Burocracia aos molhos! Não há modo de diminuir. Sem paciência para este ministério português. No curso em Florença, só as portuguesas voltaram às escolas! Todos os outros docentes, de vários países da Europa, estavam de férias! E a pergunta impôs-se: que fazem na escola se não estão lá os alunos? 
Nem se consegue responder!
E o grande dilema é sempre este: alguém lê o que eu ainda hei-de escrever, já com algum esforço? Fará a diferença nalgum aspecto da vida escolar? Tenho para mim que não! Relatórios, constrangimentos, soluções, apontamentos, análises.... Para o ano tudo volta ao mesmo!
Desilusão!
Só me apetece partir!

sexta-feira, 12 de julho de 2019

De volta a casa


Depois de uma semana em Florença, passando por Pisa, Livorno, Siena, S. Gimignano, muita aprendizagem, um calor infernal, muitos quilómetros a andar a pé, muitos monumentos, muita história, muita beleza, alguns gelados (tão bons!!) muitas saladas, um grupo de três,  5 estrelas e o cansaço dos últimos dias foi bom regressar.
Segunda e terça feira trabalho intenso na escola e quarta feira novo curso em Lisboa, desta vez organizado pela Casa das Ciências. 900 professores espalhados por muitas salas, convidados com muito nível, workshops muito bons, um horário muito comprido que custou a cumprir. Já está. 
Novo regresso a casa. Desta vez para mais uma semana non stop de trabalho árduo. O fim de semana vai servir para adiantar o trabalho. Ainda muitas dúvidas para sanar na segunda feira. Tudo se fará. Acredito que sim!

quarta-feira, 26 de junho de 2019

Respirar fundo


Dentro de três dias hei-de estar por aqui! Não sei bem como partirei com todas as atividades e resoluções que ainda tenho entre mãos. Vou ali desistir de umas quantas atividades que tinha programadas e já volto. Por vezes é mesmo a melhor opção.
 Ai e tal, fica mal e começaste e agora não acabas... Vidas!! Não se pode chegar a todo o lado. E algumas delas poderão ser realizadas noutros timings mais amigáveis. 
Hoje, como suplente num  exame, tive tempo para tomar resoluções. Como não podia sair, em vez de stressar,  resolvi ser racional e pensar novamente sobre resoluções tomadas anteriormente.

terça-feira, 25 de junho de 2019

Boas descobertas


Começo a ficar fá do airbnb. Casas lindas em sítios centrais com pormenores cheios de charme, bem decoradas e com traça antiga.
Este fim de semana ficámos numa casa linda que foi uma descoberta muito boa. É diferente dos hotéis. Chegas a uma casa antiga, toda restaurada, admiras a altura dos tectos, corres ao segundo andar a observar os pormenores de bom gosto, a tirar ideias de decoração, a sentir a alma do lugar.
Gostei imenso. A repetir!
Foi pena ser pouco tempo!

Faltam três dias


Os dias e serões com agendas ao milímetro. Dia 28 à noite há-de estar tudo pronto para a partida. Acredita, fecha os olhos com força e acredita! Racionalmente pensando, as coisas estão negras. Desistir de algumas tarefas, seleccionar as mais importantes, programar com tempo e, com saúde, tudo acabará por ser feito.
Falta-me uma mala nova, escolher a roupa a meter lá dentro, pensar na apresentação individual aos colegas do  curso mas, em último caso,  não há nada que três horas de voo não consigam resolver!
Odeio não ter tido tempo para preparar ao pormenor o conhecimento da história dos lugares como eu gosto. Vai tudo mais ou menos e não gosto desta sensação.
Amanhã, nova vigilância! Humor de cão!
Levantar cedo dá saúde e faz crescer!

segunda-feira, 24 de junho de 2019

Pronto. A primeira etapa de reuniões acabou.


Hoje levantei-me com uma dor de cabeça atordoante. Rumei à cozinha, tomei café, engoli comprimidos e dentro de meia hora estava sentada ao computador. Tudo pronto a horas para a reunião. 
Almoço encomendado mas já não é a  primeira vez. 
Tempo ainda para me inteirar, muito a sério, sobre a agenda de trabalho das próximas três semanas. Começo a stressar e não é nada conveniente.
À medida que se aproxima o tempo da partida para Florença menos me apetece partir! Sei que o regresso vai ser penoso e tenho de deixar prontas esta semana  tarefas em demasia. 
Só relaxo quando me lembro que daqui a 20 anos nada disto tem importância! Este pensamento dá mesmo resultado!