sexta-feira, 3 de julho de 2015

Viagem

Fomos. Eu de mochila às costas que isto da idade dá muita experiência, ele de mala com rodas. Corremos os sítios mais emblemáticos e guardámos a noite de sábado para nos deliciarmos com um jantar de comida indiana. À nossa maneira! Tão bom!
Os hotéis não nos desiludiram e dormimos feitos anjos em camas fofas e limpas. No último dia, ficámos num apartamento e  cozinhámos o jantar. Um bom português que se preze não vive sem legumes e sem fruta, sem uma comida saudável e natural.
Não gastámos tempo em lojas e grandes superfícies. Passeámos, aprendemos e enchemos os olhos. Comparámos muito do que vimos com o que vivemos todos os dias à beira mar plantados e concluímos sempre o mesmo: Portugal é um grande país para se viver!
Com crise, com desorganização, mas com  um povo com uma alma grande que sabe o que é viver e reconhece e aproveita tudo o que de importante (tão pouco!) tem a vida!
Viver em Londres deve ser difícil. Imaginei a cidade na estação fria e ainda deve piorar as condições.
Regressar com a ideia doce de viver no melhor país do mundo - o meu!

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Um dia importante


Hoje, filho mais novo começa uma nova etapa da sua vida. Um trabalho novinho em folha que, penso eu, lhe trará muitas  alegrias e muita aprendizagem.
Depois de uns dias fenomenais com ele em Londres (já tinha  tantas saudades de estar assim com ele, todo o santo dia, sem tarefas  e sem interrupções) hoje é o dia 1 de um mês mas também o seu dia 1 naquele novo emprego.
Tenho orgulho neste percurso de 24 anos que já conta com  dois anos de trabalho, uma licenciatura e um mestrado. Parabéns meu filho.
Com a tua garra tudo te é possível!

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Férias diferentes

 Andorra

Confesso que não me apetecia muito. Montanha no Verão? 
Verão rima com praia,  com sol, com calor, com não fazer absolutamente nada.
Eles queriam! Comecei por procurar um sítio bonito para ficarmos. Encontrei! Um complexo com tudo aquilo de que gosto: piscina coberta, SPA, piscina descoberta, bares, restaurantes, ,etc.
Passámos uma semana a andar pelas montanhas. Trilhos bem traçados, paisagens de cortar a respiração . Para alguns dos trilhos íamos de teleférico. Depois, lá em cima era só andar e maravilharmo-nos com tudo o que os nosso olhos viam. Muita conversa e muito riso. Parece que tal como o ar também eu deixava para trás muito do que me pesava na alma. Ao terceiro dia, estava renovada. Tão bom!
Ao final da tarde, havia ainda uma piscina coberta com uma vista de montanha incrível com todos os apetrechos para relaxar dentro de água. Nunca dormi tão bem como naqueles dias. Os filhos  fizeram o jantar todos os dias!  Sim, adorei!
Embora em moldes diferentes, este ano vou fazer outra semana a andar. Lavar a alma. Preparar o coração!

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Barcelona




Filho mais novo passou lá o fim de semana. Reviveu outras férias, outros tempos e eu fiquei cheia de saudades daquela imensidão de dias que por lá passámos. Da praia, da vista da casa, dos passeios que dei, da arte, do ambiente, das gentes na rua pela noite dentro, da comida,  da festa, penso até que tenho saudades de tudo!

Coisas de que gosto mesmo, mesmo muito!


sou incapaz de escolher hotéis que só pelas fotos me conseguem cheirar a mofo, a coisas mal lavadas, a alcatifas cheias de nódoas e por aí adiante. Antes ficar numa tenda de campismo com o meu colchão de ar, e o meu saco cama quentinho. Para mim pode ser o 8 ou o oitenta e sou feliz na mesma. Não gosto mesmo é de enganos e de meias verdades em que a net é pródiga.
Para escolher um hotel para uma  viagem, demoro dias, faço listas de favoritos, comparo, vou aos mapas ver a localização. 
Quando chego, raramente me engano. Tremo só de pensar nessas desilusões que me podem custar manhãs ou tardes de mau humor. Sei que sou assim e quando invisto muito numa coisa quero que seja perfeita.
Chegar e ter à  minha espera uma cama bonita com um colchão super fofo, super confortável, a cheirar a lavado, super limpo, é o começo de uma boa viagem. Se ainda por cima tiver um SPA, uma piscina para umas braçadas um um bonito jardim para relaxar tanto melhor. Parece que o dia corre melhor sabendo que à noitinha temos um pedaço de céu para descansar. 
Sei  que é fútil mas ... paciência!

sábado, 20 de junho de 2015

Falta pouco

Para um fim de semana muito bom na melhor companhia so mundo. Vai ser diversão total. Bem instalados e com vontade ( muita) de viver a vida.
Sempre que sentia a tua paixão pela saga harry potter eu sonhava em te levar até lá. Demorou alguns anos mas chegou o dia (como sempre chega!). Gosto de vos concretizar os sonhos. Este, é meu também um bocadinho  porque conseguiste que eu sonhasse contigo todas aquelas histórias de magia. Ninguém compreende o meu entusiasmo! Não me preocupo. Nós sabemos que estamos a marcar momentos eternos. 
Cá vamos nós, os muggles.! Oxalá regressemos do mundo da magia!!!

A VIDA, essa coisa tão simples!


Que complicamos, desesperamos, destruímos só porque ainda não percebemos como tudo é simples.
Viver cada momento, olhando à nossa volta, apreciando o belo e tudo o  que somos e temos dentro de nós. 
Depois de um passeio pela cidade deserta a um sábado de madrugada, pela fresca como diria a minha avó,  novas energias renascem onde normalmente se instala o desânimo e a vontade de baixar os braços.
Um passeio de uma hora quando há três meses mal ele arrastava os pés da cama para o corredor do hospital. De agradecer. Muitas vezes.
Filho mais novo em Barcelona, revivendo os dias em que percorremos aqueles espaços uma e outra vez pelo sol e pela sombra durante 15 dias tão bons! Fiquei feliz de ele pensar o mesmo sobre esses tempos de férias a 4. 
Filho mais velho trabalhando na sua nova casa, fazendo brilhar o aconchego que querem para eles.
Eu com mil e um projectos para concretizar. 
Arrumar as ideias e começar a ser mais eu.
Bom fim de semana!

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Coisas que me tocam


-Não queres ir lá para cima porque está menos frio?
-Sim, pode ser!
E fomos para o nosso espaço quentinho nas dunas abrigados do vento que sopra praia fora. Dali vê-se tudo e o mar parece ser ainda , se puder ser, mais grandioso.
Já ali fomos muito felizes noutros Verões e em outras Primaveras. Conversámos, dormimos, apanhámos escaldões quase sem dar conta.
Do outro lado do carreiro que chega à praia tinha o meu querido pai o seu poiso certo. Ainda o estou a ver lá, sentado numa grossa tábua que assentava sobre dois montes de areia.  E ele ali, perfilado, vestido, olhando o mar como quem sonha.
A família alargada passou também por ali em alguns Verões numa grande algazarra de risos. A minha mãe já um pouco confusa quanto à vida na última vez que ali esteve.
Este mar e esta praia têm grandes pedaços de mim!!
E de cada vez que me dizem - vamos lá? - eu direi sempre que sim!

sábado, 13 de junho de 2015

Tudo pronto. Tudo marcado.


Para um fim de semana muito bom com filho mais novo! Só assim entendo a vida e só assim a vida me recompensa.
Viver como quem sonha, como quem ama, como quem se aventura.
Vai ser muito bom!

Coisas cómicas ( embora não parecendo)


A minha mãe, quando éramos pequenos, recitava bastas vezes este poema. Fazia-o de tal maneira que eu acabava sempre a chorar com pena da menina que chorava  a mãe. Ainda hoje imagino o cenário que visualizava na altura e ainda hoje se me aperta o coração de pena.
Quando a mãe começou a perder a memória, pedi-lhe para escrever o que ainda sabia do poema que tantas vezes recitara. Já escreveu pouco! Pensava eu ser uma daqueles poemas populares que passam  de geração em geração e cuja origem se tinha perdido no tempo. Fiquei com  muita pena de não o ter.
Recentemente, encontrei-o assim, inteirinho,na net, saído da pena de um poeta consagrado. 

Infância e Morte 

  "Ó mãe, o que fazes? em cama tão fria
"Não durmas a noite... saiamos d'aqui...
"Acorda! não ouves a pobre Maria,
"Pequena, sozinha, chorando por ti?

"Porque é que fugiste da nossa morada,
"Que alveja saudosa no monte d' além?
"Depois que tu dormes na terra gelada,
"Quão só ficou tudo, mal sabes, ó mãe!

"A nossa janela não mais foi aberta,
"O fogo apagou-se na cinza do lar,
"As pombas são tristes, a casa deserta,
"E as flores da Virgem se vão a murchar.

"Oh! vamos, não tardes... mas tu não respondes...
"Em vão todo o dia meu pranto correu;
"No fundo da cova teu rosto me escondes,
"Não ouves, não falas... que mal te fiz eu?

"Escuta! na torre de frestas sombrias
"O sino da ermida começa a tocar...
"Acorda! que o toque das Ave-Marias
"À imagem da Virgem nos manda rezar.

"A lâmpada exausta de Nossa Senhora
"Ficou apagada, precisa de luz:
"Oh! vem acendê-la, e à Mãe que se adora
"Ali rezaremos e ao Filho na cruz.

"Depois à costura, sentada a meu lado,
"Tu hás-de contar-me, bem junto de mim,
"Aquelas histórias dum rei encantado,
"De fadas e mouras, d'algum querubim.

"A d'ontem foi triste, pois triste falavas
"De vida e de morte, dum mundo melhor;
"E o rosto cobrias, e muda choravas,
"Lançando teus braços de mim ao redor.

"Depois em silêncio teus olhos fechaste,
"Tão pálida e íria qual nunca te vi;
"Chamei-te era dia, mas não acordaste,
"E enquanto dormias trouxeram-te aqui.

"oh! vamos, não tardes, que as noites sombrias,
"Sem ti a meu lado me causam pavor!
"Acorda! que o toque das Ave-Marias
"Nos diz que rezemos à Mãe do Senhor."

Tais eram as queixas da pobre Maria...
O sino da ermida cessou de tocar...
E a mãe entretanto dormia, dormia;
Do sono da morte não pôde acordar.

Três dias, três noites a filha sozinha
No adro da igreja por ela chamou...
No fim do terceiro já forças não tinha;
Da mãe sobre a campa, gemendo, expirou...

SOARES DE PASSOS  - expoente máximo do Ultra-Romantismo em Portugal.