segunda-feira, 2 de maio de 2016

Tempo que passa!


Hoje passámos por lá. Lembrei-me de outros tempos em que qualquer comemoração dava lugar a  um passeio, a novas experiências com o objectivo de lhes ensinar a vida e as coisas. Desta feita  era no castelo de S. Jorge.
Eles cansavam-se mas aprendiam. 
Tirámos uma nova foto para ver o tempo a  passar, para ver como estamos diferentes, para nos lembrarmos que já muita água passou por baixo das pontes e que as nossas vidas já deram imensas voltas e reviravoltas mas aqui continuamos. A sorrir! Sempre!


sexta-feira, 29 de abril de 2016

Mudar


De vez em quando é necessário surpreender os dias, dar novas  oportunidades a nós próprios, reaprender a viver.
Em Janeiro foi a minha resolução de ano novo. Envelhecer com qualidade apesar de  a vida sempre nos poder pregar partidas imprevisíveis.
Depois de não sei quantos quilos a menos sinto que valem a pena  todos os sacrifícios e todos os nãos que digo a doces e a comidas calóricas. 
Sinto-me mais leve e mais eu!


quinta-feira, 28 de abril de 2016

Visitas especiais

Que trazem presentes como este e me derretem o coração!
É tão bom tê-lo por perto!
Sei que não vou comê-lo mas fico feliz por o ter!

terça-feira, 26 de abril de 2016

Estamos neste modo!


Tentando fugir da tristeza, dou de caras com este texto!!!


S. Martinho de Anta, 21 de Abril de 1956 
Quatro da manhã. Acabei de dar a extrema-unção ao velho — a extrema-unção que um médico pode dar a um moribundo: estrofanto e panaceias afins. Está perdido. Mas prometi curá-lo e levá-lo a ver a neta dentro de dias. Menti-lhe pela primeira vez na vida, e foi justamente a primeira vez que tive a impressão de que acreditou cegamente em mim. Tanto me esforcei durante anos e anos para lhe demonstrar que era digno da sua lisura, e o destino exige-me esta trafulhice piedosa no último momento.
— O meu filho vem aí... — dizia ele, a ameaçar a morte e a infundir confiança aos desanimados.
E eu chego, e acudo-lhe com drogas inúteis e promessas falsas! Sei que me perdoará, se tiver consciência de que o enganei. Mss acompanhá-lo-á uma tristeza igual à que me fica: a de que não fui capaz de um milagre na hora decisiva.
Miguel Torga - Diário VIII

E a tristeza continua! Porque é a vida. Porque os pais passam a nossos filhos com a reverência de pais com que sempre vivemos! E tudo isto é muito difícil de assimilar!

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Fui ver a mãe

 A nova cerejeira que o meu pai plantou 
A velha cerejeira que dava cerejas pretas, grandes, tardias  que encheram a minha infância e adolescência.
 
Que ora me conhece, ora me confunde! O mundo dela é muito difícil para mim! Mexe com a minha alma. Umas vezes mais profundamente do que outras. Uns dias aceito bem a degradação, outros dias olho para ela e já não vejo a minha mãe. Uns dias apetece-me a sua pele, o seu calor, sinto a leveza e a urgência dos momentos como estes, noutros dias sinto que já não é o calor dela, é só uma ténue sombra da força que ela teve e essa força faz-me muita falta. 
Uns dias aceito, outros dias revolto-me. Uns dias encontro-lhe os gestos de sempre, e rio-me com eles e outros dias em que só esses gestos já não chegam, fico triste e sinto-me orfã!
Hoje, foi almoçar a casa. Almoçou connosco, no sítio onde crescemos. Ela tão distante dos outros tempos! Tudo tão diferente!
A lenta morte dela vai sendo também um pouco  a minha morte!

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Fim de semana prolongado


Eu? A necessitar como nunca de descanso! 
Descansar mentalmente, acalmar ideias, relaxar e deixar que a vida corra e me ensine alguma coisa.
Ou então, ainda muito melhor, que me troque as voltas e me surpreenda!!!

terça-feira, 19 de abril de 2016

Menos 1 kg


Parece pouco mas fico contente. Estou a fazer retenção de líquidos, nada que não se resolva. Muitos kgs de gordura já foram. 
Valorizo as coisas boas. Estar mais ágil, mais criativa e mais activa. Tudo o resto é conversa.
Baixei 4 números no vestuário e neste momento é-me muito dificil escolher roupa. Tenho tendência para levar os números antigos para o  provador. Levo sempre alguma peça em que penso não caber. E, surpresa das surpresas, caibo nela! E fica-me bem!! Isso é bom!
Espero pacientemente por maior perda de peso para voltar às queridas costureiras mas a verdade é que tenho muito pouca roupa para usar neste momento.
Não se pode ter tudo!!!

Eu e as espirais


Ontem caí! No final de um lanço de escadas em caracol que já me estava a fazer ficar tonta! No meio de tanto professor foi embaraçante. O pior não foi isso! 
A escada não tinha guardas. Nisso, reparei logo quando entrei. Apenas uns cabos de aço faziam de guias e nestas coisas penso sempre nas crianças a descerem e a caírem por entre os cabos. 
Afinal ia sendo eu a descambar por ali abaixo e a estatelar-me num chão de pedra lá no fundo. 
Não aconteceu mas a simples hipótese de me poder ter desequilibrado para aquele lado e ter galgado uns 30 metros até ao chão e ter por ali ficado, fez com que o meu serão não fosse tranquilo!!!
A morte espera-nos sempre ao virar da esquina! Não tenho dúvida nenhuma! 
É preciso é estar preparada! Correu bem! 
Valeu-me a grande densidade óssea que possuo. Nem uma dor, nem qualquer sinal de queda!


domingo, 17 de abril de 2016

Fim de semana a encher os olhos


Ver coisas diferentes, procurar o que quero para a casa de praia e imaginar como vai ficar. Passar pelos meus sítios de eleição e ver os complementos que comprarei nso saldos porque ainda há tempo até ao Verão. 
Comprei um iluminador de rosto muito bom e aprendi a colocá-lo e isso fez toda a diferença! 
Andei a ver óculos mas acabei por encomendar mais lentes! Não gostei de nenhuns!
Fazer umas pequenas remodelações lá em casa. Visitar a nova família e viver momentos muito marcantes.
Estar com a família é sempre um bom fim de semana! E este estado de alma vê-se nas fotos!
Amanhã volto para Lisboa. Desta vez em trabalho.