sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Coisas que andava a adiar e para as quais chegou o tempo


Sempre fui boa cozinheira! E gostava disso! gostei sempre de fazer comida tradicional portuguesa com muita carne, muita feijoada, muitos pratos de bacalhau...
Até que chegou um dia em que já não podia continuar a cozinhar assim porque já éramos só dois e, pela idade e condição física, tínhamos de reduzir e filtrar tudo o que comíamos. 
Deixei de cozinhar. Limitei-me tempo demais aos grelhados sem imaginação e às saladas do costume. Comprei muitos sacos de legumes congelados, alguma fruta e pouco mais. Nos intervalos livres da vida  ia lendo o que saía sobre novos alimentos e sobre todas as suas propriedades. Concluía sempre o mesmo: é ciência que necessita tempo de estudo e eu não a domino.
Até que chegou o dia, como sempre!
Tenho grande necessidade de voltar à cozinha e aprender novos pratos saborosos mas desta vez saudáveis. Aproveitar as férias que estão a chegar para aprofundar estas matérias. 
Entusiasmada! Muito entusiasmada!

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Coisas minhas


Há pessoas que gostam de renovar a vida, prometer a si próprias mudanças  e acreditar que tudo será possível, no dia 31 de Dezembro. Janeiro entra e tudo será diferente porque a esperança as comanda.
Nunca consegui divertir-me na passagem de ano, nunca consegui fazer planos de renovação. Talvez devido ao frio que nos tolhe?
Para mim, Agosto é o mês ideal para a renovação! Os dias são maiores, faz calor, temos algum tempo livre para pensar. Este ano sinto  grande necessidade de projectos e de coisas novas.
Setembro vai ser um grande mês.

domingo, 6 de agosto de 2017

Coisas que me lembram





Das férias em casa diferentes  em outros países ficou-me a nostalgia das diferentes decorações. O nosso modo de decorar as  casas é mais convencional e menos adaptado a cada uma das famílias que lá vivem. As casas onde passei férias gritavam a personalidade de quem as habitava. Um quarto cheio de estantes de livros, uma casa de banho com uma janela enorme que dava para o jardim e  de onde se viam os esquilos a saltar nas árvores. Os quartos dos filhos com toda a espécie de brinquedos e artefactos dos quais os meus filhos tinham dificuldade de se despedirem no final das férias. O WC das visitas decorado como se de uma peça de teatro se tratasse e que dava as boas vindas aos amigos que confraternizavam na mesa enorme da cozinha verde água  iluminada pelo jardim que lhe entrava pela janela. 
Ficou desses tempos uma grande nostalgia por este tipo de decoração clean, onde tudo se enquadra para o conforto de quem lá vive arredado de convenções sociais ou modas fúteis.
Quando folheio revistas ou vejo novos sites de decoração e me deparo com estas imagens, crava-se em mim uma nostalgia de férias difícil de ultrapassar.
Bom domingo!

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Da esperança


Viver sem ela, arrastando os dias, torna-me numa pessoa amarga de que não gosto mesmo nada.
Para mim é necessária a esperança em dias melhores, em acontecimentos futuros ,em projectos que provavelmente nunca se concretizarão. Não esperar sentada mas concretizar todos os dias algo que contribua para me sentir viva e inteira. 
Neste tempo de férias grandes já tive dias em que ela me abandonou completamente mas eu volto a procurá-la, renasço para ela todos os dias e começo pouco a pouco a sentir que os dias de descanso estão quase aí. Neste momento, preciso deles como de pão para a boca. Retemperar forças, colocar as ideias nos sítios a que elas pertencem, apanhar sol, sentir-me viva. 
Falta pouco e por faltar tão pouco consigo entreter-me com projectos pessoais pequeninos mas que me fazem manter à tona e não afundar no desânimo e no cansaço.
Apesar dos dias e dos acontecimentos!

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Temas e temas

Poderia escrever muito, dar a minha opinião, falar dos meus sentimentos, das minhas mágoas, do que sinto em relação à vida e às pessoas. Podia escrever sobre o amor e sobre a amizade ou inimizade, sobre a gratidão ou ingratidão, sobre a dor ou a alegria. Poderia escrever sobre o que desejo, sobre o que sei nunca  vir a ter ou sobre aquilo que terei. Poderia escrever sobre o ânimo e o desânimo, sobre os laços e as rupturas, sobre o que vem  e o que vai sem se dar conta. Poderia escrever sobre o importante e o nem por isso. Poderia escrever sobre tudo isto! Mas não quero!
A vida ensinou-me a beleza  do silêncio!

sexta-feira, 28 de julho de 2017

O que me apetecia mesmo?


Sentar-me ao volante, na mala um saco com um fato de banho, uns chinelos e protector solar, e rumar sem destino ao  litoral Alentejano.
Teria de ser o Alentejo de outros tempos com praias só para mim, peixe muito fresco, sol a dourar a pele, muitas sestas e muito mar. Adormecer cansada e acontecer o milagre que acontecia todos os Verões: ficar renovada depois de uma semana e regressar 10 anos mais nova.
Era só isso! Só necessitava de uma semana!

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Noites de Verão


Calor e mais calor. Sentimentos e mais sentimentos. Ideias fugazes e vorazes. Não quero pensar, só dormir. Quando acordar é tempo ainda para remoer o que me vai na alma.
Estou cansada! Muito cansada de tudo!

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Piquenicar com estilo


Foi lindo! Bem organizado e com pessoas lindas por dentro e por fora. Gostei muito de estar e de participar. Um misto de emoções. Como a vida! Como o voltar ao meu passado e reviver emoções da minha infância!  Recordar o meu pai! Recordar a falta que ele ainda me faz e relativizar. É sempre a melhor opção! A vida ensina-nos todos os dias esta mantra! 
E nós aprendemos que o amor e a amizade não dependem da distância. Dependem só do que nós somos capazes de transpor, do que conseguimos dar, da parte de nós que vai com os que amamos. 
As distâncias inventaram-se para que cada um de nós aprenda a  diminuí-las e a destroná-las.
Eu vou fazer a minha parte! Porque gosto de ti!

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Fechar uma porta traz sempre alguma nostalgia


Hoje, depois da apresentação pública do trabalho feito lá para trás, senti-me um pouco vazia. Sei que não vou voltar ao local que me acolheu durante algum tempo.
Tempo em demasia que a vida impôs ser assim e não tão rápido quanto tinha previsto. Adaptar a rota e seguir em frente e foi o que fiz. Como sempre faço. Tanta coisa aconteceu entretanto na minha vida!
Hoje, quando subi a rampa pela última vez, lado a lado com cara metade, subi-a com a  sensação de dever cumprido mas lembrei-me de todas as vezes que ali tinha estado sem ele, das vezes em que fiz a viagem de Lisboa ao Porto deixando-o na cama do hospital, das manhãs de Inverno que começavam cedo por aqueles lados, das viagens longas pela madrugada com muitas piadas e camaradagem. Não foi tudo negativo! Aprendi imenso sobre Educação. Aprendi imenso sobre investigação qualitativa, li muito, actualizei os conhecimentos e li os livros mais recentes dos meus investigadores preferidos. Também houve serões de desespero, avanços e recuos, como em tudo na vida.
Acabou! 
Venham novos desafios!

terça-feira, 18 de julho de 2017

Piqueniques


Adoro piqueniques. Preparar a comida, escolher o local, combinar quem leva o quê. Durante muitos anos organizei um piquenique de Primavera que reunia amigos e família sempre em locais diferentes e bonitos. Uma forma gira de criar laços entre os mais novos.
Na minha família sempre se organizaram piqueniques. Com uma logística complicada que implicava levar as porcelanas e fazer a comida ali à beira das mesas.  Prolongavam-se por tardes inteiras de amena conversa e muitos risos. Havia café e licores e muita animação.
Com o tempo foi-se perdendo o hábito. 
Sábado vou voltar a este modo e gosto disso.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

A realidade impõe-se

Últimos dias da semana cheios de stress e de desafios.
Se eu gosto? Aprendi a não virar-lhes as costas como fiz durante muitos e muitos anos. Escolhi durante muito tempo o caminho do comodismo. Depois, verifiquei que a renovação pessoal, a auto-estima e o acreditar que somos capazes vêm sempre depois de um frio na barriga e um arrependimento - " Mas por que razão me fui meter nisto? - Estava tão descansada!"
Preparar mentalmente a exposição. Reler o que fiz com grande sacrifício. Interiorizar o que quero transmitir e que possa fazer eco em quem me ouve. 
A tarefa mais difícil e que exigiu tanto de mim está concluída. Agora é só desfrutar da sensação do dever cumprido.
Como escreve Vergílio Ferreira, em Cântico Final, “Só se sabe, só se entende verdadeiramente alguma coisa, quando o coração se sobressalta…”.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Sonhar com as férias


Antever uns dias de descanso com mar, boa comida, piscina, descanso, belas paisagens, sítios espectaculares que me deslumbrem.
Ir à deriva como gostamos. Deixar que as gentes e as circunstâncias nos surpreendam e nos façam ficar mais tempo do que o previsto. Fugir das
 multidões e encontrar o bom gosto dos pormenores e a beleza da paisagem verde.
Talvez por aqui!

Dias e serões cheios de trabalho


Ecos de uma semana muito boa

O trabalho, nesta altura do ano, não dá tréguas. Fechar um ano lectivo e lançar o novo dá imenso trabalho e é um puzzle muito difícil de montar. Conciliar todas as vertentes e fazer acontecer um ano cheio de novas oportunidades para os alunos, em primeiro lugar, é uma tarefa muito difícil  e espartilhada por condições nem sempre fáceis de aceitar. 
A adrelanina vem das novas ideias, estudadas ao longo do ano, e que se pretendem aplicar. Vem do acreditar que cada aluno poderá encontrar na escola um ano novinho em folha capaz de lhe elevar as suas expectativas interiores e o transformar num ser mais habilitado para alcançar o seu sucesso. Vem da vontade de fazer mais e melhor por cada um dos alunos. Vem da motivação que continua a existir dentro de mim para transformar, escutar e, em conjunto, caminharmos para o futuro. 
Vamos lá então continuar a trabalhar!

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Acreditar em mim


No que sou na minha essência. Só eu sei quem sou e o que sinto. Tudo o que os outros pensam deixou de me interessar.
Somos instantes. Necessito só de estar em paz comigo e de saber muito bem quem sou. A vida é curta para nos preocuparmos com assuntos menos interessantes. Focar no essencial. Amar quem me merece.
Se houver algo a mudar, sou somente eu que decido a mudança. 

terça-feira, 11 de julho de 2017

Um mês importante


Julho está a ser um mês cheio e que requer atenção. Primeira semana de férias passada, é tempo de me dedicar a um desafio já na semana seguinte. É um desafio pessoal que aceitei com gosto porque, como diz uma grande amiga minha por-me  à prova vai fazer-me bem! E eu concordo com ela!
Com a minha idade já pouca coisa pode dar para o torto! Mesmo que desse, eu rir-me-ia de mim própria e seguia em frente. 
Depois, festa no fim de semana, toalhas xadrez, e malas de piquenique.  No dia seguinte encontro com uma amiga de infância que me diz muito. 
Final do mês rima com uma festa especial, muito especial, muito rosa e muito amor em tudo o que penso para este dia. Vai ser fantástico!
Necessito só de organizar-me.

Dias para celebrar


Depois de uma viagem voltamos sempre renovados. Apesar do cansaço físico, sentimos a energia perdida e uma memória renovada que é muito bom reencontrar.
Foi uma semana importante em que assistimos ao casamento do nosso único sobrinho  que vimos crescer e acompanhámos de longe no Inverno e mais de perto nas longas tardes de férias de Verão quando vinham de férias para Portugal. 
Foi tempo de recordar velhas histórias! Foi tempo de me emocionar com o carinho que eu sinto por este menino bom e meigo que, tenho a certeza, fará a sua mulher muito feliz. Foi tempo de me recordar que a emoção, por vezes, não se consegue conter e por muitas vezes, nestes dois dias de celebração, me apeteceu chorar de alegria e de emoção. 
Foi muito bom ter a família junta! Foi muito bom ter a querida neta connosco e rir com ela.
Criar laços só é possível ao longo do tempo, com afecto, com atenção, com gestos de carinho, com escuta, com mimos e acima de tudo sabendo que estamos lá uns para os outros.
A família é isto - permanecer juntos, ligados pelo coração e ancorados nas memórias que fomos criando ao longo dos anos.
Gostei muito de estar presente neste dia tão importante. Para mim, não podia ser de outra maneira.


sexta-feira, 30 de junho de 2017

Contratempos


O computador estava mesmo com pouca saúde o que obrigou a uma mudança de hábitos quanto aos serões e à actualização do blogue. Vai valer a pena. Tenho lido mais e organizado muita coisa que andava fora de sítio. Cabeça incluída!!
Talvez no final da próxima semana tudo volte ao normal! Eu disse normal? Talvez o normal sejam os serões sem redes sociais e sem net!
Até lá!

domingo, 25 de junho de 2017

Domingo cheio


Tempo de começar a preparar uma nova viagem. E como eu gosto disto! Pensar roupas, acessórios, começar a imaginar o que levar  colocar tudo no quarto do fundo arrumadinho por dias. Pensar na comodidade, na leveza e nas festas em que hei-de estar com todo o prazer do mundo.
Pensar no que ainda falta e terei de recolher durante a semana.
Ficar feliz por tudo o que já consegui planear e realizar ontem. 
Fim de semana calminho, com compras pelo meio, algum descanso e muita paz.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Das coisas cá de casa


Um calor insuportável! Sair de casa já é um sacrifício.
A tragédia dos fogos faz-nos pensar, mais uma vez, na precariedade  da vida tal como a conhecemos e a sonhamos mas continuamos no mesmo erro até morrer.
 Começar a pensar uma próxima viagem para que nada fique por tratar. Hoje foi dia de ir ao banco requisitar produtos necessários. Falta ainda o passaporte que tem de ser renovado. Tempo? Não sei bem quando!
Depois há a greve, os serviços mínimos a realizar, as  equipas a pensar, as avaliações dos alunos e os problemas a tratar sobre estes assuntos.
O computador quase não funciona. Amanhã vai ser tempo de ficar sem ele para que um amigo trate dele..
O calor aperta mesmo noite  dentro! Já o tinha dito?
Valem as conversas que se vão tendo e  a certeza profunda de que algo de bom sempre acaba por acontecer nas nossas vidas.

Há dias e semanas assim


Em que não apetece partilhar nada. Não apetece escrever porque nada ajuda. O computador lento que até assusta. O trabalho que se acumula até à exaustão. A tristeza dos  acontecimentos. O repensar da vida e das coisas. O entrar para dentro de nós próprios e sabermos que temos  de dar uma grande volta a isto tudo e não sabermos por onde começar. A tristeza profunda que se apodera de nós. 
Boa semana.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Mãe, hoje é o teu aniversário e tu não sabes!


Há algum tempo que é assim! Mas antes não era. 
Lembraste  das festas que fazíamos em volta de uma  mesa farta, da tua alegria por nos veres juntos e  dos teus netos a cantarem os parabéns?
Eu sei que te não lembras! Eu sei!
Mas lembro-me eu! Do teu cuidado, da tua azáfama para que nada nos faltasse, das tuas cartas escritas para mim num final de um dia de trabalho, cheias de bons conselhos, da tua alegria quando as duas íamos comprar roupa para mim e tu sabias que eu ficava feliz.
Lembro-me da liberdade que me deste, do espaço que me criaste e me permitiu crescer e ser eu própria.
Lembro-me da confiança que tinhas em mim e nas minhas decisões, por vezes maior do que a que eu própria sentia. Acredita que foi um bom motor para tudo o que realizei. 
Lembro-me da tua máxima "quem não se guarda por si não é bem guardado" quando me deixavas fazer o realizar o que à partida naquele contexto seria proibido. Acreditavas que eu faria certo! E fiz. Pensando sempre em  não te desiludir.
Nunca te pedi a perfeição mas soubeste sempre mostrar-me que a imperfeição, por  vezes, ensina muito mais que a primeira.  
De ti, fui conhecendo facetas à medida que fui crescendo e hoje vejo-te como uma enorme mulher. 
Foi necessário o esquecimento e algum distanciamento emocional para eu me lembrar das tuas lágrimas, dos teus abraços, dos teus risos, da tua alegria, das angústias que me contaste muito mais tarde, dos pormenores da tua vida que nunca partilhaste sabe-se lá porquê! 
Querida mãe! Apesar de não conseguir falar contigo, continuo a ter as tuas mãos que me fazem festas e os teus olhos cheios de amor por mim mesmo não sabendo bem quem eu sou! Talvez uma simples memória de tempos felizes! Talvez isso!
Ou então, mais profundamente, o amor irracional de uma mãe que nunca morrerá.
Feliz aniversário querida mãe!

quinta-feira, 8 de junho de 2017

O cansaço invadiu-me

Qualquer tarefa é uma montanha a ultrapassar, qualquer coisa fora do lugar é uma birra interior, levantar-me pela manhã é um martírio sério e o rendimento diminui. Continuo a trabalhar pelo serão adentro porque não consigo fazer tudo durante o dia.
A minha mente anda nublada, confundo datas e acontecimentos e o esforço é a dobrar para que saia tudo certo. 
Tenho mil e uma tarefas da minha vida para concretizar mas tudo vai a passo de caracol e com pouco entusiasmo.
O marasmo invadiu-me. O sono chama-me e é mais forte do que todas as tarefas que esperam por mim.
Até quando?

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Fazes anos!


Talvez por isso hoje estiveste mais tempo junto a  mim! Tenho pena de não estar hoje contigo mas vou redimir-me durante o fim de semana. Conheces-me tão bem que só ouvir a tua voz já acalma as minhas ansiedades.
Admiro a tua verdade, o teu modo de ser, a tua dedicação a quem amas  e a tua maturidade. Acima de tudo necessito dos teus conselhos, da tua forma equilibrada e sábia  de ver e viver a vida. 
Uma vida juntas mana em que vivemos tanto, rimos tanto e aprendemos tanto! Que continue assim por mais uns anos! É só isso que necessito!
Feliz aniversário! Vais ter um bolo lindo! LOL!

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Hipocondria


Tenho de confessar que sou hipocondríaca. Em grande escala! Tem aumentado desde que filho mais velho se tornou médico sabe-se lá porquê. Tremo quando ele olha para mim de modo sério como que a pensar se terei algo suspeito! Ele sabe muito e isso deixa-me muito insegura! É estúpido o pensamento mas que querem? Penso assim!
Deste fim de semana resultou como ultimato uma série de exames que me estão a atormentar. 
Tanta gente a ficar doente à minha volta! Tanto caso grave! Será que com estes exames todos chegou a minha vez de saber? Outro pensamento estúpido mas é o que penso e não consigo controlar o medo.
Dia de exame médico é dia de suores frios, calafrios, risos amarelos, disfarce perante os técnicos para que não percebam a maluqueira que me vai na cabeça. Quase sempre começo por interrogar o técnico não vá o sintoma ser tão evidente que logo ali seja diagnosticado em primeira mão. Não ajuda nada saber que alguns utentes receberam telefonemas do laboratório de análises e foram directamente para o hospital para dali partirem para os hospitais centrais. Estes casos normalmente não acabaram bem. 
Talvez por isto me matraquear a cabeça é que nem consigo ir buscar o resultado de qualquer análise que faça. Deixo isso para cara metade. Eu fico no carro à espera da má notícia!
Este post não é edificante mas tenho por desculpa a minha hipocondria. Hoje, mais um conhecido teve um AVC!
Amanhã marco as análises!!

Semana de afectos


Esta semana duas pessoas super importantes na minha vida fazem anos: a minha irmã e a minha mãe! Embora a minha mãe já não perceba o que é isso de fazer anos, o bolo gigante lá estará para ela. Para que saiba que, mesmo que não se lembre, continua a ser muito importante para nós assim como o seu aniversário sempre o foi  e, por isso, vamos estar juntos. Como sempre!
Querida mãe como eu tenho saudades das tuas conversas! Mesmo daquelas que não corriam muito bem! E do teu riso infantil e do teu modo engraçado de juntar as mãos quando te rias e estavas feliz!

domingo, 4 de junho de 2017

Tenho o cheiro da minha neta comigo


E apesar de já me encontrar a 100 kms de distância este cheirinho vai fazer com que durma melhor e me sinta mais feliz.
Amanhã talvez já cá não esteja. Ficam só os sorrisos e o risos e as imagens mentais da alegria dela e de como essa alegria me contagia.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

A caminho


Que em cada dia que passa consiga ser mais concretizadora de afectos, mais realista e mais centrada naquilo que verdadeiramente me interessa.
Que seja capaz, em cada dia, de escolher o que me deleita e deitar fora tudo o que me incomoda ou incomodaria.
Que continue a sonhar dias de sol e que nada me perturbe esses sonhos.
Com esta idade já pouca coisa me faz mudar o rumo que tracei há muitos anos.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Bom dia junho


Que tragas contigo tudo aquilo de que necessito!

E ainda sobre a família


Não somos felizes sozinhos. Não conseguimos!
Tive sempre a preocupação em educar os meus filhos em família alargada. Mesmo vivendo longe, passei férias e fins de semana junto com os meus pais para que eles se habituassem a amá-los e a admirá-los. Penso que consegui. 
Nas tardes quentes de Verão convivíamos com os primos que vinham passar férias. Imensas histórias ficaram desses tempos e também uma grande relação.
Na casa de praia juntei a família muitas vezes, Levei os meus pais comigo, trouxe tios e  é tão bom ainda agora rever as fotografias de todos juntos no meio do nevoeiro matinal a tomar o pequeno almoço em grande alvoroço ou a ter aulas de yoga no jardim com os vizinhos incrédulos a assistir. Ou aquela festa de anos maluca de cara metade em que só comemos marisco e acabámos o dia num arraial popular sabe-se lá onde! Ficou desse dia uma imagem marcante  de gosto de viver do Amaro que infelizmente já não está entre nós. Deixou a  memória de alegria de que tanto gostava.
Todas estas vivências com pessoas diferentes fizeram  parte do que quis transmitir aos meus filhos: que a família é o bem mais precioso que temos e transportamos connosco pela vida fora.  Somos diferentes, temos visões diferentes, mas estamos lá sempre que é necessário.  Para além de tudo isso aprenderam, desde cedo, a diferença entre as pessoas, Aprenderam o respeito pelos mais velhos, a estar à mesa a ouvir conversas intermináveis e a terem a  sensação de que pertencem a um   núcleo que nunca os deixará sentirem-se sozinhos.
Família protege e ama acima de tudo.
Tive sempre esta máxima no meu coração e calcorreei muitos quilómetros para a concretizar!
Penso que valeu a pena.

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Meus queridos irmãos


Dizem que é o dia dos irmãos! É então um dia especial para vos deixar esta mensagem de companheirismo e de amor de uma vida vivida em conjunto e que nada nem ninguém poderá destruir.  Tantos momentos maus, tantos momentos bons, tantos momentos juntos em brincadeiras tontas e em risos de crianças. 
Depois, fomos construindo as nossas vidas mas soubemos estar sempre presentes quando um ou outro precisava.
 Meu irmão não me esqueço da tua presença junto da minha cama no hospital quando fui operada, já noite dentro. Ficou-me na mente esta tua vontade de estar comigo quando eu me sentia tão débil e fraca. As tuas piadas e a tua vontade de te manteres emocionalmente perto de mim apesar da distância. As tuas longas cartas que guardo religiosamente.
A ti minha irmã agradeço quase todo o apoio que senti na vida!  Estiveste sempre presente! E sim o Kalimero de pantufas visita-me muitas vezes e tu, com a tua força interior, dás-lhe um pontapé  e ele vai-se embora. Emociona-me o amor que sentes pelos meus filhos, os conselhos sábios que me dás e as longas conversas noite dentro quando já ninguém nos ouve. Só nós e o silêncio. A tua força dá-me ânimo e o teu amor confiança.
Família! Adoro-vos! É tão bom saber que posso contar com vocês!

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Foi um dia importante


Obrigada a todos os que estiveram comigo e me desejaram sorte com verdade. 
Estou grata à vida por mais uma oportunidade. 
Obrigada meus filhos por, mesmo de longe, me terem dado ânimo. Acreditem que pensei em vocês o tempo todo. Pensei também na minha querida neta a quem dediquei também este trabalho. Ela merece tudo!
Depois, lanche com três pessoas queridas que me acompanham há tantos e tantos anos e continuam a estar comigo nos meus momentos importantes. Irmãos para a vida e companheiro de vida todos juntos para me fazerem feliz. Conseguiram. Obrigada querida família.

domingo, 28 de maio de 2017

A vida dos outros


Arrasada, atordoada, ainda meio incrédula é assim que me sinto hoje. Como se um grande camião tivesse passado por cima de mim.
Casamento ontem o dia todo. Foi bonita a festa! Um antigo aluno de quem guardo boas memórias!
O que soube por lá entretanto, e só por acaso,  de tanta mentira, tanta injúria e tanto falsete deixaram-me a pensar no egoísmo que é preciso cultivar e que eu não tenho (infelizmente), na maldade humana, na falsidade e em tudo o que sempre combati.
Uma grande compaixão pela minha pessoa tomou conta de mim!
Hoje é outro dia. Levantemos a cabeça. Não é nada comigo! A vida são dois dias!
Não lutemos contra mentiras e falsidades. Não vale a pena. A verdade é como o azeite. Vem sempre ao de cima como dizia a minha avó.
 Não sou de intrigas. Sou mais de olhos nos olhos quando tem de ser!

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Tempo de desafios


Vamos lá então. Com toda a falta de memória, com toda a vontade, com toda a motivação para mudar o que necessita ser mudado.
Sei o que quero ver diferente. Sei como fazer acontecer.
Sai do casulo e bate as asas contra o vento! Confia em ti!

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Eu e o meu cabelo


Já o tive de todas as cores. Já experimentei quase todos os cortes também! Nesta altura do campeonato já nunca poderia arriscar alguns deles mas, noutros tempos, já o tive bem curto e gostava de me ver.
No meio disto tudo tive sempre pena de ter o cabelo liso. Adoro ondas, caracóis, volumes que emoldurem o rosto. Já que não é naturalmente recorro ás novas  técnicas para o conseguir.
Houve um Verão que apostei em ser radical e fiz uma permanente! Bem... se o arrependimento matasse....já não estava entre os  vivos!
Começou porque a fiz antes de ir de férias e as colegas com quem me cruzava não me  reconheciam! Pode?
Depois, durante as férias, o cabelo ficava todo no ar com um despenteado alienado impossível de domar. Logo pela manhã tinha de correr para  a casa de banho para o molhar e colocar muito amaciador e fixante para lhe dar um ar menos andrajoso.  Uma trabalheira! Foram uns tempos duros e jurei nunca mais fazer isso.
Continuo a gostar de ondas e caracóis mas preferencialmente daqueles que durem dois ou três dias e depois volta tudo ao mesmo!

Cabeça vazia


Sabem aquela sensação de terem de começar por algum lado mas nada parece bem, estás de mal com o mundo e contigo própria porque já devias ter começado e estás a colocar na tua mente horas para começar, e o tempo passa e não começas?
Mas afinal o que esperas? Milagres? Sem suor e trabalho?
Deixa-te de mimimis e atira-te a isso!

segunda-feira, 22 de maio de 2017

O tempo que passou


no post abaixo corria o ano de 2003. Estávamos no Grécia debaixo de um calor tórrido. Vocês viviam cá em casa. Passámos por lá uma semana cheia de emoções. Aprendemos e conhecemos um mar que nunca esquecemos. 
Por essa altura, quase não tinha tempo para pensar em mim! Insegura e ingénua mas tentando sempre vencer os medos e os temores. Vocês eram a minha força. A minha energia.
Depois numa manhã de Setembro partiu o Miguel! Foi à procura de uma vida independente, mas o vazio que deixou por cá nunca se cobriu com nada. 
Três anos difíceis  se passaram e disse adeus o André. Também ele se foi para a cidade grande e levou o piano com ele. Dizia que lhe fazia falta! E a mim? Que me levantava com ele às 6,30h da manhã para o ouvir tocar nos treinos longos que eram necessários. Embrulhada numa manta pressentia que ainda teria saudades desses tempos. E tenho!Voltavam muitas vezes até que as leis da vida, como tudo tem de ser, os atarefou nos tempos livres. Não me queixo porque os sei felizes e amados  e  isso basta-me. 
Nunca os quis para mim porque nunca seriam felizes desse modo. Quero olhar só de vez em quando para os olhos deles e pressentir que tudo o que lá tentei colocar ainda lá está. Nada mais. 
Os triunfos deles sabem a mel e ver o modo como amam e são amados e demonstram os seus sentimentos  descansa-me.
Chegou então o tempo de pensar em mim. De ter tempo para mim. Já sem tanta garra e com metade da vontade mas vamos conseguindo. Novas etapas, novas rotinas mas acima de tudo  um amor lindo, pequenino que me enche a alma.
Tudo muda. tudo gira, mas continuamos os nossos caminhos. Que os vossos sejam sempre felizes meus filhos.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

E depois há aqueles dias


em que sentes que criaste dois seres humanos fantásticos e te enches de auto estima porque o conseguiste sem saber muito bem como o conseguiste. Sabias umas coisas de educação mas eras tão nova! Tão inexperiente! Eles devolvem-te tanta coisa, sabem fazer tanta coisa que tu não sabes, ensinam-te um novo mundo  tão diferente e sabes que estes  dois seres especiais gostam de ti!
Há dias assim. em que o amor por eles  se sente mais e sai para fora de nós.
Sei que fica mal, que é foleiro, que soa mal, mas paciência. É o que sinto!

Done


Sentimento de dever cumprido. Tão bom! Arrastava há imenso tempo esta tarefa. Pela chatice que era e pelo sono que me atingia todas as noites. Hoje acabei. Faltam só pequenos pormenores.
Depois olho para a montanha de folhas à minha frente e ainda consigo interrogar-me incrédula: Fui eu que escrevi isto tudo? Tudo mesmo?
Penso que já está quase tudo. Agora são os pormenores.
Boa!

terça-feira, 16 de maio de 2017

Falta ainda algum tempo

Mas eu adoro planear viagens, locais a visitar, pesquisar e saber a história dos locais. 
Carro alugado. Assim podemos ver mais em menos tempo e de uma forma mais confortável. Falta o passaporte que parece ser necessário e não me quero aborrecer logo à chegada. 
Estar com família alargada com queridos sobrinhos em data tão importante faz-me sentir feliz. 
Até final de Maio nada me pode distrair mas depois,,, vou conseguir ser fútil até querer e me fartar! Faz falta!
Pensar o que vestir, o que calçar, o que falta ainda adquirir, os pormenores que farão a diferença, as unhas, o cabelo e por aí fora.
Gosto disso!

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Tudo muda, tudo sempre a girar


Deve ser isso viver. Adaptar-se às mudanças, aos tropeços, aos acontecimentos com os quais nunca nos confrontámos e não sabemos resolver. Vale a experiência acumulada mas, por vezes, não é suficiente.
Gostava de saber sempre o que dizer e fazer. Não ter dúvidas,  saber sempre qual o meu papel e o que esperam de mim. Estou tão longe, tão dispersa, tão emaranhada que a única coisa a fazer é seguir a minha consciência e os antigos conselhos de meu pai. SEGUE O TEU CORAÇÃO!
Cá vou seguindo Pai! Obrigada por todo o teu amor que me ensinou que estar atento e amar incondicionalmente  nem sempre é sinónimo de grande ruído!


Acabou!


À segunda sinto mais a ausência. Domingo à noite ainda fica o cheiro, o som dos passos, a alegria.
Com o acordar, entra-se na realidade. Gosto muito da vossa companhia. Adorei que estivessem, dessem colo, mostrassem o vosso amor tão lindo de ver, sorrissem como só vocês sabem e me enchessem a alma.
Tudo acaba. Fica a certeza do futuro e isto me basta. 
Boa semana!

sábado, 13 de maio de 2017

Preguiça boa


Tive de ficar em casa e não voltar a Fátima hoje. Não interessa o motivo. Foi o que decidi.
Aproveitei para ver o Papa como não o tinha visto ontem. Acompanho pela televisão as cerimónias e peço. Espero sempre que tudo melhore, que Alguém considere que pode alterar alguns aspectos menos conseguidos em mim e na minha relação com os outros. Não perco a fé! Nunca!
Mesmo que nada se altere parece que aumenta a paciência para encarar os acontecimentos, a vida e as coisas e isso é muito positivo. Relativizar é a palavra de ordem.
Depois de tudo fica a mensagem do Papa - Temos mãe! Este pensamento é tão reconfortante que me inspira a ser mais confiante no futuro e na vida em geral. 
Apesar de a minha verdadeira mãe já não saber o meu nome terei sempre alguém que me acolhe nos meus dias mais tristes e me chama  a ser melhor em cada dia que passa.
Papa Francisco,  o Papa dos pequenos gestos que nos ensina todos os dias a sermos melhores  pessoas iluminou ainda mais, por algumas horas, um recinto que faz parte de mim há tantos anos e tanto me diz.