sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Vou ali fazer de mãe e já volto


Gosto de fazer de mãe de filhos pequenos que já não são. Gosto de os mimar quando estão doentes, de lhes fazer canja de galinha, de lhes estender a manta quente nos joelhos e de os aconchegar para que se sintam melhor. 
É ridículo! Eu sei!
No entanto, posso ainda exercitar este meu gosto com filho mais novo e aí vou eu! 

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

O que faço é o que gosto


Gosto de acreditar que as minhas conversas com os alunos não são esquecidas logo de seguida. Conversas boas de incentivo, de reforço positivo onde a família já criou o lastro do que há-de vir a ser; conversas ao coração, que consigam abrir um pouco as brechas numa imunidade à escola que há-de ser motivo de arrependimento daqui a uns tempos; conversas mais leves quando o fulgor da adolescência não permitiu ainda o controle necessário para um bom comportamento e é necessário lembrar-lhes que entre o pensar e o executar há um sem número de conexões nervosas que nos permitem ser donos das nossas acções; conversas de abrir olhos e evidenciar caminhos menos bons quando já repetidas sem surtir efeito; conversas de amizade com os meus antigos alunos que agora chegam como encarregados de educação e me tratam por "ó Professora"; conversas de motivação para um futuro que nem eles nem eu sabemos o que vai ser mas não faz mal sonharmos em conjunto; conversas e risos quando eles me dizem "eu não gosto de Matemática  mas gosto de si" e eu sei que através deste gostar eles vão começar a gostar de Matemática; conversas de esperança; conversas de apoio, mão no ombro e "vem falar comigo sempre que necessitares"; conversas de "e a tua mãe está melhor?" e ver os olhos húmidos de quem sofre na pele a realidade de uma família desfeita; conversas que fazem os pais chorarem de impotência e eu ali a dizer-lhes que o tempo tudo vai compor e eles serão homens e mulheres felizes e com sucesso; conversas de relativização porque a vida me ensinou que o que é hoje não o é amanhã e o dia de amanhã virá sempre a tempo de operar a mudança; conversas de mostrar caminhos, apontar veredas e atalhos e deixá-los escolher o que lhes parece mais promissor.
Conversas de paixão pelo que faço!

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Foi necessário tempo


Na noite de domingo para segunda ardeu o Seixal. Não parece nada mas foi tudo.
Aquele soito tinha sido plantado pelo meu pai com todo o amor que sentia  pelas árvores. Muitas vezes se alvoroçou com a possibilidade de tudo arder em tempos de festas e de foguetes. Alguns sustos tivemos. Vivêmo-los com ele numa grande aflição com olhares de susto e de angústia pela possível morte  das suas árvores.
Quando ele faleceu fiquei  guardiã do legado. Reconheço que nem sempre tive o tempo suficiente.
 Ir até lá era encontrar-me mais perto dele. Percorrer as veredas, olhar o crescimento dos castanheiros, pensar no que ele sugeriria para esta ou aquela dificuldade.
Abria o portão semicerrado e as recordações vinham até mim. Por ali andava ele com a sua calma, com os seus conselhos, com os seus sorrisos que tanta falta me fazem. Este Agosto, já no final das férias, voltei lá envolvida pelo silêncio das manhãs de Estio. Percorri mais uma vez os caminhos que conheço de cor. Passei pelas árvores que plantámos juntos e dei conta da velhice delas. Ouvi os meus passos e sonhei os passos dele, sempre ao meu lado. Olhei a mesa de ferro para lautos piqueniques que ele lá colocou sonhando reuniões de família já com netos irrequietos  que pouco a pouco foram envolvidos pelo amor eterno do avô.
Já com a manhã alta, regressei não sem antes encostar o portão de ferro como que encerrando dentro daquele espaço as memórias, os laços, as recordações, o meu amor pelo Homem que me moldou pelo exemplo. Meu querido pai! 
Como estarias hoje sabendo que aquele dia que tanto temias chegou e te levou as tuas árvores.
Segunda feira acordei  mais orfã.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Início de estação


 A minha marca preferida de malas desta vez em vermelho


 Calças como eu gosto. As que tenho já estão um pouco velhinhas mas é tão difícil encontrar umas calças de boa qualidade

Os meus sapatos preferidos. Adoooooooro.


Este já tenho! Há cerca de 20 anos, coisa menos coisa!

Como nem só de assuntos sérios é feita a vida de uma mulher, por aqui ficam os acessórios que me fazem sair de casa durante o fim de semana com o intuito de dar com eles ao virar de uma esquina e os trazer comigo. Ainda não aconteceu mas nunca se sabe.
Há procuras deste género que chegam a durar meses! Eu gosto!

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Trabalho dos últimos anos


É lenta a mudança! Talvez mais do que eu desejava. 
No entanto, com tanto que aconteceu na minha vida nos últimos anos, o caminho vai-se fazendo em passinhos curtos mas eficazes.
Gosto mais de mim agora apesar de mais velha. Sinto que sou mais eu. Sinto que o interior está mais em sintonia com o exterior.
Continuar este caminho. Lentamente mas sem voltar atrás.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Sem vontade de mim


Há dias e tempos assim. Não te apetece inovar, combinar, arriscar, procurar novas peças que façam a diferença.
Pela manhã visto a primeira coisa que tiro do roupeiro e aí vou eu. 
Sei que consigo mais e melhor. Sei que sempre que me esforço me sinto melhor. 
Aguardo a motivação. Sei que virá!

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Ficar maior de idade tem destes inconvenientes


Uma falta total de paciência para com as mentiras e mesquinhices dos outros.
Eu até poderei não dizer nada porque sou pessoa de silêncios carregados de emoções mas certas atitudes dão comigo em doida.
Quando vêm para cima de ti a dizer ai e tal eu sou muito boazinha e dedicada e profissional e então necessito mudar isto para bem dos outros e tu lês na sua testa que o único objectivo é o seu umbigo, és acometida de instintos irracionais que te dão imenso trabalho a controlar. 
Até quando conseguirei continua a ser uma incógnita!!

O retorno do amor


Podemos amar alguém a vida toda mesmo sem o retorno do nosso sentimento. Podemos imaginar e aguardar anos e anos que o objecto do nosso amor um dia nos demonstre que somos únicos também para ele. 
Não falo  do amor romântico porque esse necessita de tempos de conexão e seria insuportável  e impensável estar numa relação sem se ter a certeza de que se é único para o outro.
Falo do amor que sentimos pela família, pelos amigos especiais, por aquelas pessoas que tornam os nosso dias mais cheios e luminosos.
Se gostamos, temos de dizer e de demonstrar. Porque o amor fica mais cheio e mais completo. E porque ficamos mais felizes.
Como estou hoje.

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Os serões antes dos dias sim


São o meu tempo! Descontrair, relaxar, fazer, ou não fazer, alguma coisa. O pensamento bom de que amanhã posso acordar com a luz da manhã, devagarinho como eu gosto e necessito cada vez mais. 
Planear o almoço, atender ao que tenho de levar comigo para a minha querida família. 
Hoje é o tempo de estar. Sem quê nem para quê.
Tão bom!

O silêncio por aqui não é um bom presságio


Não foi uma boa entrada no novo ano lectivo. Comecei a fraquejar em meados de Setembro e Outubro apanhou-me completamente down. Razões? Não existem. Ainda bem!
Invadiu-me uma nostalgia, um não querer saber, uma revolta interior, um tanto faz que me fez entrar no casulo do conforto mental de não querer pensar.
 Dentro deste casulo é necessário tempo. Só ele consegue fazer-me voltar à tona, imaginar e sonhar novos horizontes, desdramatizar os pequenos problemas e relativizar. Pouco a pouco, a irritação que me invade e faz abanar o casulo, vai deixando entrar a bonomia com a certeza do que é importante reter e do que é necessário abandonar.
Depois há um dia em que o casulo começa a ficar apertado para que os sonhos ganhem forma e me envolvam novamente. E puf! Lá recomeço  novamente.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Do fim de semana


Tempo de apanhar a fruta ainda que para isso seja necessário colocar a escada encostada à macieira e subir. Penso que já não tenho idade para isso mas consegui!
Depois foi tempo de me empoleirar no escadote e retirar as folhas à gigantesca videira para que as uvas alourem e fiquem doces.
A parte mais importante? A MÃE!
As visitas. Alegrar-me com o sorriso dela ainda presente quando me vê. Sorver todos os bocadinhos e olhá-la nos olhos mesmo que o seu discurso, a maior parte das vezes, já não faça sentido. Fazer parar o tempo para poder tê-la ainda comigo. 
O amor que não acaba mesmo encoberto pelas tais placas que cobrem os neurónios.
A despedida sempre dolorosa agradecendo a falta de memória dela que me esquece mal eu viro costas. Não sofre com a ausência! Mas eu....  eu trago-a comigo durante toda a viagem.


quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Novo desafio


Hoje aceitei um novo desafio! Estive todo o dia com o email escrito na pasta dos rascunhos e com este assunto na cabeça. Ponderei e coloquei na balança os prós e os contras. Relativizei. Coloquei-me lá para trás e revivi sentimentos de outros desafios aceites e superados. 
Sabia que tinha de resolver isto  ainda hoje. Como ideia positiva serviu a quantidade de tempo que ainda falta para a  preparação necessária.
Até lá, rever o que a Ciência trouxe a lume nestes últimos tempos.
Done.

Encaminha-se


Finalmente começo a dormir a noite toda. Foram tempos de insónia pela madrugada dentro.
Das coisas de que eu tenho mais medo é de acordar ao meio da noite. Cai em cima de mim um pessimismo que não tenho com a claridade do dia. Tudo é negro, tudo são problemas sem remédio. Projecto o futuro negro na escuridão do quarto e, pela visão que tenho, só quero que a manhã chegue e tudo acabe. O único pensamento bom é que quando acordar definitivamente a carga negativa se foi e fica só a imprevisibilidade do que há-de vir. 
Por tudo isto a melhor  coisa que posso oferecer a mim própria é uma noite ininterrupta de sono.
Tão bom!

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Tempo aproveitado


No meio da pintura e do novo corte e com os papelotes no cabelo ainda vim a casa correndo muito no espaço público para ninguém me ver naquela triste figura e realizei alguns trabalhos rápidos. Desci a correr as escadas novamente e fui acabar o tempo de pintura. 
Hoje já me sinto mais normal.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Voltar ao que nos faz bem



Hoje foi dia de passar pelas minhas cabeleireiras do coração para marcar tudo a que tenho direito. 
Receberam-me com carinho e admiradas por ter estado tanto tempo ausente!! Pois!
Trabalhar sem horário, chegar a casa já o cabeleireiro está encerrado e muita falta de paciência. Sentir que preciso mesmo de fazer um refresh na minha aparência mas não ter tempo nem capacidade para cuidar psicologicamente de mim.
Hoje chegou o dia porque o Outono vem aí e porque pouco a pouco as rotinas vão ficando consolidadas. O princípio do ano é sempre muito complicado.
Chegou o tempo de organizar o meu Inverno. O frio pelas manhãs lembra-me todos os dias desta necessidade.

domingo, 17 de setembro de 2017

Começo de uma nova semana


Foi um fim de semana muito calmo. Estava mesmo a precisar de passar algum tempo sem fazer nada depois destes tempos de corrida para aqui e acolá. A idade começa a pesar. Queria sair de viagem e fui adiando porque não me sentia com forças para iniciar a viagem. Apontei desculpas que me livrassem da sensação de insegurança que me começava  a consumir. Há dias assim em que a força anímica nos abandona. Mudei de planos e fiquei. Foi o melhor que fiz.
Descansei no sábado e vi dois filmes. Descansei no domingo e passeei a pé durante duas horas. Não fiz muito mais. Parece que começo a renascer. 
Há que dosear o esforço durante a semana  para que não volte a acontecer. 

sábado, 16 de setembro de 2017

Sábado pela manhã


Aproveitar o tempo para mil e uma coisas que tenho para fazer. Cuidar de mim e do meu cabelo que começa a cair como sempre acontece em Setembro. 
Projectar mil e um assuntos que necessitam de tempo de pensar. 
Cair em mim, coisa que durante a semana não faço por falta de tempo, e perceber que há que percepcionar mil e um pormenores que conduzam ao futuro. Tenho ainda muitas experiências para viver e uma certa urgência começa a fazer sentido. Focar-me no que me faz feliz, no que me acrescenta algo e me engrandece e essencialmente no que  me apetece. A vida é muito curta para distracções e perdas de tempo que duram tempo demais. 
Pensar muito seriamente em deixar pelo caminho pensamentos dolorosos que me têm estragado e consumido os últimos meses. Não podes modificar as pessoas, não podes modificar a maldade humana, não podes alterar tudo o que foi imposto, não vale a pena tentar  por falta de resultados, deixa cair e segue em frente. O futuro, se for caso disso, colocará tudo no sítio.
Acima de tudo continuo a ser uma boa pessoa.
O único que me interessa é ser feliz e ver os meus felizes. Tudo o resto é paisagem.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Hoje é um dia importante


Faz um ano. Um tempo em que tanto aconteceu enquanto ela crescia e se desenvolvia. Um tempo de mudança e de renovação.
Muitos parabéns minha querida pelo teu primeiro ano de vida.

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Recomeçar


Já recomecei há já muitos dias mas, não sei porquê, senti essa "emoção" de uma forma mais forte quando vi tanta gente junta ainda queimada do sol, risonha e bem disposta. Alguns nem por isso! 
Mais um ano! Um novo recomeço como se fosse sempre novo aquilo que já sabemos de cor. 
Quase os mesmos colegas e meia dúzia de novos que é necessário conhecer e acompanhar.
Começo a sentir-me na curva descendente sabe-se lá para quê. Falta-me tempo para ver ainda as mudanças que sonhei. 
O edifício começa a sentir a falta dos seus principais ocupantes - os alunos.
Eu também!
Um bom ano lectivo.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Coisas que me entusiasmam

Mudar a alimentação é um dos planos para este Setembro que agora começa. 
Aprender para saber explicar cientificamente as minhas escolhas. Passar mais tempo na cozinha a cozinhar novos pratos e a testar novo sabores. 
Contar, sempre, com a ajuda preciosa e cientificamente avançada de filho mais velho nesta aventura que agora começa.
Entram pouco a pouco no meu vocabulário novos termos.
Todo este esforço que realizo com algum prazer serve para encontrar um cérebro mais activo e um corpo mais ágil.
São razões mais que suficientes.

domingo, 3 de setembro de 2017

Acabaram as férias com uma mão cheia de projectos


Talvez o que me faz mais falta ao longo do ano seja tempo de qualidade para pensar.  Imaginar, contextualizar e projectar novas ideias.
Este tempo de mar e de calmaria permitiu-me pensar no que quero mudar em mim e no que me rodeia. Alinhar as ideias e entrar em modo entusiasmada com o que há-de aparecer depois de colocar em prática o que me vai na cabeça. Hoje foi tempo de leituras muito boas, de aprendizagem, de análise das prioridades e de focagem nos objectivos.
Dentro de pouco tempo surgirão novas notícias e novos projectos que me entusiasmam. Acredito que também apareça uma mente mais focada e mais enérgica!
Um bom Setembro!

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Pausas equivalentes a um serão


Para mudar as roupas nas malas agora mais apropriadas ao sol e ao mar. Lavar a que veio connosco. Procurar o chapéu de sol e todos os outros adereços que lembram mar. Procurar desesperadamente o azul mar e colocar o verde árvore desta última semana de parte. 
Organizar a partida. Pensar no lá e no que necessitamos. 
Amanhã começa a última semana de férias. Aproveitar é o lema.

domingo, 20 de agosto de 2017

Dúvidas


Começar uma vida saudável de um dia para o outro ou começar devagarinho cortando aqui e ali, introduzindo rotinas novas a pouco e pouco até chegar ao ponto que se quer levar para o futuro?
Gosto mais do primeiro modo. Dá mais comigo. Cortar radicalmente o que está mal e começar nova vida.
Mas estamos em férias e  é sempre mais difícil ser organizada neste modo. Invadiu-me uma lassidão difícil de combater, talvez devido ao ano duro que atravessei. Assim, começo pouco a pouco a mudar a alimentação e a procurar espaço nos meus dias para relaxar, para fazer meditação e para relativizar todos os pensamentos menos bons que me assolam. Tempo ainda para exercícios e massagens nas termas (? estou a ficar madura, eu sei!) num lugar perto de mim.
Desejo ardentemente que Setembro me encontre renovada, principalmente na alma. Acredito na paz dos dias e na capacidade de relativização para conseguir chegar lá.
Apesar de tudo, apesar do cansaço, apesar da energia gasta em viver de acordo com o que sou e com o que acredito!

Intervalo nas férias


Para mudar roupas, organizar pormenores e partir. 
Férias são sinónimo de partir, de descobrir e de relaxar noutros lugares.
Férias são também sinónimo de amor para com os que já viram nascer muitos sois e estão no outono da vida e para os que começam a descobri-la e a dar os primeiros passinhos rumo ao futuro.
Férias são descanso e desconexão com tudo o que nos tolda os dias e nos aborrece. Deixar para trás o incompreensível e as mágoas e acreditar no tempo que começa em Setembro.
Férias são sinónimo de campo, de sol abrasador, de conversas longas, de praia ao final da tarde, de pele bronzeada pelo sol, de bons jantares pela noite dentro, de dormir muito, de mimo, de acordar só quando o corpo pede, de não ter compromissos, de risos, de atenção ao outro, de felicidade.
As minhas vão ter tudo a que tenho direito!

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Coisas que andava a adiar e para as quais chegou o tempo


Sempre fui boa cozinheira! E gostava disso! gostei sempre de fazer comida tradicional portuguesa com muita carne, muita feijoada, muitos pratos de bacalhau...
Até que chegou um dia em que já não podia continuar a cozinhar assim porque já éramos só dois e, pela idade e condição física, tínhamos de reduzir e filtrar tudo o que comíamos. 
Deixei de cozinhar. Limitei-me tempo demais aos grelhados sem imaginação e às saladas do costume. Comprei muitos sacos de legumes congelados, alguma fruta e pouco mais. Nos intervalos livres da vida  ia lendo o que saía sobre novos alimentos e sobre todas as suas propriedades. Concluía sempre o mesmo: é ciência que necessita tempo de estudo e eu não a domino.
Até que chegou o dia, como sempre!
Tenho grande necessidade de voltar à cozinha e aprender novos pratos saborosos mas desta vez saudáveis. Aproveitar as férias que estão a chegar para aprofundar estas matérias. 
Entusiasmada! Muito entusiasmada!

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Coisas minhas


Há pessoas que gostam de renovar a vida, prometer a si próprias mudanças  e acreditar que tudo será possível, no dia 31 de Dezembro. Janeiro entra e tudo será diferente porque a esperança as comanda.
Nunca consegui divertir-me na passagem de ano, nunca consegui fazer planos de renovação. Talvez devido ao frio que nos tolhe?
Para mim, Agosto é o mês ideal para a renovação! Os dias são maiores, faz calor, temos algum tempo livre para pensar. Este ano sinto  grande necessidade de projectos e de coisas novas.
Setembro vai ser um grande mês.

domingo, 6 de agosto de 2017

Coisas que me lembram





Das férias em casa diferentes  em outros países ficou-me a nostalgia das diferentes decorações. O nosso modo de decorar as  casas é mais convencional e menos adaptado a cada uma das famílias que lá vivem. As casas onde passei férias gritavam a personalidade de quem as habitava. Um quarto cheio de estantes de livros, uma casa de banho com uma janela enorme que dava para o jardim e  de onde se viam os esquilos a saltar nas árvores. Os quartos dos filhos com toda a espécie de brinquedos e artefactos dos quais os meus filhos tinham dificuldade de se despedirem no final das férias. O WC das visitas decorado como se de uma peça de teatro se tratasse e que dava as boas vindas aos amigos que confraternizavam na mesa enorme da cozinha verde água  iluminada pelo jardim que lhe entrava pela janela. 
Ficou desses tempos uma grande nostalgia por este tipo de decoração clean, onde tudo se enquadra para o conforto de quem lá vive arredado de convenções sociais ou modas fúteis.
Quando folheio revistas ou vejo novos sites de decoração e me deparo com estas imagens, crava-se em mim uma nostalgia de férias difícil de ultrapassar.
Bom domingo!

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Da esperança


Viver sem ela, arrastando os dias, torna-me numa pessoa amarga de que não gosto mesmo nada.
Para mim é necessária a esperança em dias melhores, em acontecimentos futuros ,em projectos que provavelmente nunca se concretizarão. Não esperar sentada mas concretizar todos os dias algo que contribua para me sentir viva e inteira. 
Neste tempo de férias grandes já tive dias em que ela me abandonou completamente mas eu volto a procurá-la, renasço para ela todos os dias e começo pouco a pouco a sentir que os dias de descanso estão quase aí. Neste momento, preciso deles como de pão para a boca. Retemperar forças, colocar as ideias nos sítios a que elas pertencem, apanhar sol, sentir-me viva. 
Falta pouco e por faltar tão pouco consigo entreter-me com projectos pessoais pequeninos mas que me fazem manter à tona e não afundar no desânimo e no cansaço.
Apesar dos dias e dos acontecimentos!

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Temas e temas

Poderia escrever muito, dar a minha opinião, falar dos meus sentimentos, das minhas mágoas, do que sinto em relação à vida e às pessoas. Podia escrever sobre o amor e sobre a amizade ou inimizade, sobre a gratidão ou ingratidão, sobre a dor ou a alegria. Poderia escrever sobre o que desejo, sobre o que sei nunca  vir a ter ou sobre aquilo que terei. Poderia escrever sobre o ânimo e o desânimo, sobre os laços e as rupturas, sobre o que vem  e o que vai sem se dar conta. Poderia escrever sobre o importante e o nem por isso. Poderia escrever sobre tudo isto! Mas não quero!
A vida ensinou-me a beleza  do silêncio!

sexta-feira, 28 de julho de 2017

O que me apetecia mesmo?


Sentar-me ao volante, na mala um saco com um fato de banho, uns chinelos e protector solar, e rumar sem destino ao  litoral Alentejano.
Teria de ser o Alentejo de outros tempos com praias só para mim, peixe muito fresco, sol a dourar a pele, muitas sestas e muito mar. Adormecer cansada e acontecer o milagre que acontecia todos os Verões: ficar renovada depois de uma semana e regressar 10 anos mais nova.
Era só isso! Só necessitava de uma semana!

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Noites de Verão


Calor e mais calor. Sentimentos e mais sentimentos. Ideias fugazes e vorazes. Não quero pensar, só dormir. Quando acordar é tempo ainda para remoer o que me vai na alma.
Estou cansada! Muito cansada de tudo!

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Piquenicar com estilo


Foi lindo! Bem organizado e com pessoas lindas por dentro e por fora. Gostei muito de estar e de participar. Um misto de emoções. Como a vida! Como o voltar ao meu passado e reviver emoções da minha infância!  Recordar o meu pai! Recordar a falta que ele ainda me faz e relativizar. É sempre a melhor opção! A vida ensina-nos todos os dias esta mantra! 
E nós aprendemos que o amor e a amizade não dependem da distância. Dependem só do que nós somos capazes de transpor, do que conseguimos dar, da parte de nós que vai com os que amamos. 
As distâncias inventaram-se para que cada um de nós aprenda a  diminuí-las e a destroná-las.
Eu vou fazer a minha parte! Porque gosto de ti!

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Fechar uma porta traz sempre alguma nostalgia


Hoje, depois da apresentação pública do trabalho feito lá para trás, senti-me um pouco vazia. Sei que não vou voltar ao local que me acolheu durante algum tempo.
Tempo em demasia que a vida impôs ser assim e não tão rápido quanto tinha previsto. Adaptar a rota e seguir em frente e foi o que fiz. Como sempre faço. Tanta coisa aconteceu entretanto na minha vida!
Hoje, quando subi a rampa pela última vez, lado a lado com cara metade, subi-a com a  sensação de dever cumprido mas lembrei-me de todas as vezes que ali tinha estado sem ele, das vezes em que fiz a viagem de Lisboa ao Porto deixando-o na cama do hospital, das manhãs de Inverno que começavam cedo por aqueles lados, das viagens longas pela madrugada com muitas piadas e camaradagem. Não foi tudo negativo! Aprendi imenso sobre Educação. Aprendi imenso sobre investigação qualitativa, li muito, actualizei os conhecimentos e li os livros mais recentes dos meus investigadores preferidos. Também houve serões de desespero, avanços e recuos, como em tudo na vida.
Acabou! 
Venham novos desafios!

terça-feira, 18 de julho de 2017

Piqueniques


Adoro piqueniques. Preparar a comida, escolher o local, combinar quem leva o quê. Durante muitos anos organizei um piquenique de Primavera que reunia amigos e família sempre em locais diferentes e bonitos. Uma forma gira de criar laços entre os mais novos.
Na minha família sempre se organizaram piqueniques. Com uma logística complicada que implicava levar as porcelanas e fazer a comida ali à beira das mesas.  Prolongavam-se por tardes inteiras de amena conversa e muitos risos. Havia café e licores e muita animação.
Com o tempo foi-se perdendo o hábito. 
Sábado vou voltar a este modo e gosto disso.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

A realidade impõe-se

Últimos dias da semana cheios de stress e de desafios.
Se eu gosto? Aprendi a não virar-lhes as costas como fiz durante muitos e muitos anos. Escolhi durante muito tempo o caminho do comodismo. Depois, verifiquei que a renovação pessoal, a auto-estima e o acreditar que somos capazes vêm sempre depois de um frio na barriga e um arrependimento - " Mas por que razão me fui meter nisto? - Estava tão descansada!"
Preparar mentalmente a exposição. Reler o que fiz com grande sacrifício. Interiorizar o que quero transmitir e que possa fazer eco em quem me ouve. 
A tarefa mais difícil e que exigiu tanto de mim está concluída. Agora é só desfrutar da sensação do dever cumprido.
Como escreve Vergílio Ferreira, em Cântico Final, “Só se sabe, só se entende verdadeiramente alguma coisa, quando o coração se sobressalta…”.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Sonhar com as férias


Antever uns dias de descanso com mar, boa comida, piscina, descanso, belas paisagens, sítios espectaculares que me deslumbrem.
Ir à deriva como gostamos. Deixar que as gentes e as circunstâncias nos surpreendam e nos façam ficar mais tempo do que o previsto. Fugir das
 multidões e encontrar o bom gosto dos pormenores e a beleza da paisagem verde.
Talvez por aqui!

Dias e serões cheios de trabalho


Ecos de uma semana muito boa

O trabalho, nesta altura do ano, não dá tréguas. Fechar um ano lectivo e lançar o novo dá imenso trabalho e é um puzzle muito difícil de montar. Conciliar todas as vertentes e fazer acontecer um ano cheio de novas oportunidades para os alunos, em primeiro lugar, é uma tarefa muito difícil  e espartilhada por condições nem sempre fáceis de aceitar. 
A adrelanina vem das novas ideias, estudadas ao longo do ano, e que se pretendem aplicar. Vem do acreditar que cada aluno poderá encontrar na escola um ano novinho em folha capaz de lhe elevar as suas expectativas interiores e o transformar num ser mais habilitado para alcançar o seu sucesso. Vem da vontade de fazer mais e melhor por cada um dos alunos. Vem da motivação que continua a existir dentro de mim para transformar, escutar e, em conjunto, caminharmos para o futuro. 
Vamos lá então continuar a trabalhar!

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Acreditar em mim


No que sou na minha essência. Só eu sei quem sou e o que sinto. Tudo o que os outros pensam deixou de me interessar.
Somos instantes. Necessito só de estar em paz comigo e de saber muito bem quem sou. A vida é curta para nos preocuparmos com assuntos menos interessantes. Focar no essencial. Amar quem me merece.
Se houver algo a mudar, sou somente eu que decido a mudança. 

terça-feira, 11 de julho de 2017

Um mês importante


Julho está a ser um mês cheio e que requer atenção. Primeira semana de férias passada, é tempo de me dedicar a um desafio já na semana seguinte. É um desafio pessoal que aceitei com gosto porque, como diz uma grande amiga minha por-me  à prova vai fazer-me bem! E eu concordo com ela!
Com a minha idade já pouca coisa pode dar para o torto! Mesmo que desse, eu rir-me-ia de mim própria e seguia em frente. 
Depois, festa no fim de semana, toalhas xadrez, e malas de piquenique.  No dia seguinte encontro com uma amiga de infância que me diz muito. 
Final do mês rima com uma festa especial, muito especial, muito rosa e muito amor em tudo o que penso para este dia. Vai ser fantástico!
Necessito só de organizar-me.